Yahoo Search Busca da Web

Resultado da Busca

  1. Este era o “fardo”, a missão difícil e pesada do homem branco “civilizado” para os “tristes povos, metade criança, metade demônio”. A charge faz apologia ao poema de Kipling mostrando um britânico carregando seu fardo. Nos personagens, está escrito: Zulu, China, Egito e Índia.

  2. O fardo do homem branco, numa visão satírica. Esta propaganda de sabão usa o tema do "Fardo do Homem Branco" para encorajar pessoas brancas a ensinar noções de higiene a membros de outras raças. " The White Man's Burden " ( "O Fardo do Homem Branco") é um poema escrito pelo poeta inglês Rudyard Kipling.

  3. O Fardo do Homem Branco. (The White Man's Burden, 1899)1. Rudyard Kipling (1865-1936) Take up the White Man's burden-- Send forth the best ye breed-- Go bind your sons to exile To serve your captives' need; To wait in heavy harness, On fluttered folk and wild-- Your new-caught, sullen peoples, Half-devil and half-child.

  4. "The White Man's Burden" ("O Fardo do Homem Branco") é um poema escrito pelo poeta inglês Rudyard Kipling. Foi publicado originalmente na revista popular McClure's em 1898, com o subtítulo The United States and the Philippine Islands.

  5. por Rudyard Kipling Tomai o fardo do Homem Branco -Envia teus melhores filhos Vão, condenem seus filhos ao exílio Para servirem aos seus cativos; Para esperar, com arreios Com agitadores e selváticos Seus cativos, servos obstinados, Metade demônio, metade criança.

  6. Tomai o fardo do Homem Branco - As guerras selvagens pela paz - Encha a boca dos Famintos, E proclama, das doenças, o cessar; E quando seu objetivo estiver perto (O fim que todos procuram) Olha a indolência e loucura pagã Levando sua esperança ao chão.

  7. 25 de abr. de 2019 · No ano de 1899, o poeta britânico Rudyard Kipling escrevia seu mais famoso poema, que orgulhosamente chamou de "O Fardo do Homem Branco". Nascido em uma família aristocrática em Bombaim, na Índia Britânica, Kipling cresceu observando características do regime de dominação neocolonial sobre um país cada vez mais miserável.