Yahoo Search Busca da Web

  1. Cerca de 44 resultados de busca

  1. Carlos II de Inglaterra: 29 de maio de 1630: 6 de fevereiro de 1685: Casou-se com Catarina de Bragança, sem descendência. Maria, Princesa Real: 4 de novembro de 1631: 24 de dezembro de 1660: Casou-se com Guilherme II, Príncipe de Orange, com descendência. Jaime II de Inglaterra & VII da Escócia: 14 de outubro de 1633: 6 de setembro de 1701

  2. Os jacobitas rebelaram-se novamente em 1745, durante o reinado de Jorge II, liderados por Carlos Eduardo Stuart, filho de Jaime Francisco Eduardo, porém foram derrotados novamente. [143] Desde então, nenhuma outra grande tentativa de restaurar a linhagem Stuart ocorreu.

  3. Carlos II (Londres, 29 de maio de 1630 – Londres, 6 de fevereiro de 1685) foi o Rei da Inglaterra, Escócia e Irlanda de 1660 até sua morte. Seu pai Carlos I foi executado no Palácio de Whitehall em 31 de janeiro de 1649 , no auge da Guerra Civil Inglesa .

  4. De fato, dois partidos foram criadas na corte: o primeiro, que contou com o apoio da rainha Maria Ana, apoiou-se nas reivindicações do ramo austríaco de Habsburgo, representado pelo arquiduque Carlos, filho do imperador Leopoldo I de Habsburgo e Leonor Madalena de Neuburgo e, portanto, sobrinho de parte do pai de Fernando III e Maria Ana da Espanha e, ao mesmo tempo, primo de Carlos II.

  5. Carlos I de Inglaterra y de Escocia (en inglés, Charles I of England and Scotland; Dunfermline, Escocia, 19 de noviembre de 1600 - Palacio de Whitehall, Londres, 30 de enero de 1649) fue rey de Inglaterra, Escocia e Irlanda, desde el 27 de marzo de 1625 hasta su ejecución en 1649

  6. Grande parte do reinado de Carlos foi marcado por conflitos com a França, que se viu cercada pelo império de Carlos enquanto mantinha ambições na Itália. Em 1520, Carlos visitou a Inglaterra , onde sua tia, Catarina de Aragão , exortou seu marido, Henrique VIII , a se aliar ao imperador.

  7. Carlos II retiró la Declaración y se mostró de acuerdo con el "Acta de Examen", que no solo requería de los funcionarios públicos que recibieran la Eucaristía en la forma prescrita por la Iglesia de Inglaterra, sino que los forzaba a denunciar ciertas enseñanzas de la Iglesia católica como supersticiosas e idólatras.